VISUALIZAÇÕES

sexta-feira, 21 de março de 2008

... para não suicidar


Num trajeto qualquer

A chuva apressava os passos daqueles que queriam abrigo, os ônibus eram o destino da maioria desses pés ligeiros. Molhados, munidos de pastas e guarda-chuvas passageiros se espremiam à porta do transporte, o qual, pelo ronco do motor, ameaçava romper o asfalto. Empurrões, cotoveladas e o ônibus ia lotando à medida que todos se acomodavam sentados ou em pé numa rotina humilhante que por ser rotina deixou de ser... humilhante ou, pelo menos, não era percebida assim. Acostuma-se a tudo, o homem, penso com piedade e desdém.
Nem as sinuosas curvas faziam esse “passeio” emocionante... gritos já eram previstos e cansaços eram sentidos por cada corpo que, lançado de um lado ao outro, parecia não ter vontade própria... não, realmente, não tinham vontade própria nenhum daqueles que habitavam tal condução. E as janelas do ônibus apresentavam paisagens já vistas, um panorama já memorizado por todos que, há muito, já lhe eram indiferentes.
A casa tal, a loja tal, a rua tal, o bairro tal... tal era a repetição de imagens que a monotonia tomava conta de todo o veículo. Invariabilidade, constância que para os passageiros eram tédios cotidianos. Nem freios bruscos, aos quais, de alguma forma, seu corpo já havia se habituado, eram capazes de transgredir esse enfado. Até as batidas não assustavam mais a ninguém, faziam parte da normalidade das coisas. Atemorizar-se com isso... besteira!
Todas espécies de gentes que no ônibus estavam eram como uma só: condensada, comprimida. Descer dele era um eterno ultrapassar de obstáculos humanos, expor-se, destacar-se da massa homogeneizada, bradar pelo seu ponto o qual nem sempre era respeitado. A chuva cessou, menos no ônibus que parecia um mar de águas acumuladas. Lamas e pés confundiam-se. Não dava para separar o que era suor do que eram resquícios da chuva. Agonia, tormento, exaustão. O dia continuava a acabar no tempo perdido dentro daquele ônibus. Ninguém vive 24 horas por dia, muito menos os que se vêem obrigados a tomar lotações.
Olhares se estendiam para além das vidraças, encarnavam nos carros que um dia vislumbravam possuir. Cobiça, inveja... simples desejo, compreensível desejo. Semanas e meses se passavam nessa contínua uniformidade. Chateação de viver como não se quer. Motoristas e cobradores eram máquinas teimosas de ações repetitivas, automáticas, inumanas... eles, mais que todos, sabiam o significado da palavra fadiga. A dor que sentiam nas costas virara um hábito, quando não doíam geravam surpresa, espanto, admiração. E ao descer do ônibus pareciam permanecer no ônibus. ...
O costume é mais forte que o homem.
(VASCONCELLOS, Nívia Maria.... para não suicidar. Ed. Littera: Feira de Santana, 2006.)

Um comentário:

Lisi disse...

Depois desse conto,pegar um ônibus nunca mais foi a mesma coisa!!!
Custava deixar a minha rotina cega quieta?rsrsrsrsr